Grupo rebelde russo ameaça repetir ataques a Belgoro: ‘Voltaremos’

Published on

O chefe do grupo rebelde anti-Putin que reivindicou os ataques à região russa de Belgorod nos últimos dias alertou que o território será novamente alvo de incursões. Denis Kapustin, líder do denominado Corpo Voluntário Russo, saudou o “sucesso” da operação que, segundo ele, evidencia as fragilidades russas.

“Acho que nos verão novamente daquele lado”, disse Kapustin, citado pela Reuters, acrescentando que não podia revelar mais informações sobre as futuras incursões ao território russo.

“A fronteira é muito longa. Brevemente, vamos chegar a um ponto em que as coisas vão escalar”.

Falando a jornalistas no Norte da Ucrânia, perto da fronteira russa, o fundador do Corpo de Voluntários da Rússia disse que entrar na Rússia e regressar à Ucrânia “pode ser considerado um sucesso”.

“A operação está em andamento. Tem várias fases”, afirmou Kapustin, uma figura conhecida nos meios hooligan e de extrema-direita na Rússia, que se estabeleceu antes da guerra na Ucrânia, onde organizava lutas de Artes Marciais Mistas e era dono de uma marca de roupas.

Segundo ele, este tipo de incursões obriga o exército russo a deslocar “um grande número” de forças, destapando assim outras partes da fronteira e da frente de combate.

O porta-voz do outro grupo que assumiu a responsabilidade pela incursão, identificado como César, da Legião da Liberdade Russa, também qualificou a operação de “incrível” enquanto posava em frente a um veículo blindado que garantiu ser um “troféu” retirado das forças russas.

Os combatentes confirmaram que estiveram por quase 24 horas em território russo antes de regressar à Ucrânia na madrugada de quarta-feira (24).

Horas antes, Moscou afirmou ter repelido esta incursão com a ajuda da artilharia e da aviação e ter eliminado “mais de 70 terroristas ucranianos”. Os soldados paramilitares, que se assumem “conservadores de direita e tradicionalistas”, afirmaram, por seu lado, que tiveram apenas dois feridos.

Segundo Kapustin, a reação de Moscou àquela incursão mostrou que “a liderança militar e política na Rússia está completamente despreparada” para lidar com este tipo de manobras.

“Quero provar que se pode lutar contra os tiranos e que o poder de Putin não é ilimitado”, acrescentou, afirmando que luta contra a injustiça e a tortura.

Embora a Ucrânia tenha negado qualquer responsabilidade pela incursão, Kapustin disse que Kievo governo ucraniano os encorajava, sim, porém sem fornecer armas ou equipamentos. Além disso, negou as alegações de que tenham sido usadas armas fornecidas por aliados ocidentais à Ucrânia.

Segundo os serviços de segurança da Federação Russa, foram detidos nesta quinta-feira (25) dois ucranianos que planejavam ataques a centrais nucleares russas para interromper o funcionamento delas.

“Um grupo de sabotagem do serviço de informações externas da Ucrânia (…) tentou explodir cerca de 30 linhas de transmissão de energia das centrais nucleares de Leninegrado e Tver”, disseram em comunicado os serviços de segurança.

“Segundo a ideia dos serviços especiais ucranianos, isso levaria à paralisação dos reatores nucleares, interromperia o funcionamento normal das centrais nucleares e causaria danos significativos à economia e à reputação da Rússia”, informou a mesma fonte.

Classificados como “sabotadores” pelas autoridades russas, os dois militares ucranianos teriam conseguido explodir o poste de uma linha de alta tensão e colocar minas ao lado de outras quatro linhas da central nuclear de Leninegrado, a cerca de 30 quilômetros de São Petersburgo.

A mesma nota informa que os dois ucranianos agora detidos podem ser condenados a 20 anos de prisão. “Dois russos cúmplices dos sabotadores também foram identificados e detidos”, acrescentam os serviços de segurança, que os acusa de terem fornecido meios de comunicação e veículos com registros falsos.

Os serviços especiais russos ainda apreenderam 36,5 quilos de explosivos e cerca de 60 detonadores, diz a nota, salientando que está em curso uma investigação por “sabotagem” e “tráfico de explosivos”. A tentativa de ataque teria acontecido na véspera do Dia da Vitória, celebrado em 9 de maio na Rússia.

Os ataques russos em território ucraniano também continuam. O ministro da Administração Interna da Ucrânia divulgou, no Twitter, imagens de drones russos sendo interceptados pelas forças ucranianas em Kiev, durante a noite passada.

“Mais uma noite sem dormir para muitos de nós. Outro ataque em Kiev”, escreveu Anton Gerashchenko na rede social.

LEIA TAMBÉM

Juventus abre conversas pela contratação de Galeno, do Porto e seleção

(UOL/FOLHAPRESS) - A Juventus demonstrou interesse na contratação do atacante Galeno, que chegou a...

Os esportes mais novos (e os mais antigos) das Olimpíadas modernas

De quatro em quatro anos, o mundo prende a respiração enquanto os atletas mais...

Homem morre afogado após cair de embarcação no Lago Paranoá

SÃO PAULO, SP (UOL/FOLHAPRESS) - Um homem de 27 anos morreu afogado no Lago...