Número de mortes de mulheres por hipertensão supera câncer da mama e AVC, diz estudo

Published on

MÔNICA BERGAMO (FOLHAPRESS) – O número de mortes de mulheres por hipertensão arterial no Brasil deu um salto entre 2019 e 2021, de acordo com um relatório feito pelo pelo Observatório da Saúde Cardiovascular do Instituto Nacional de Cardiologia (INC), que é vinculado ao Ministério da Saúde.

Houve um aumento de 41% nos óbitos por hipertensão entre 2019 e 2021 –os números foram de 14.178 para 20.027 por ano. Em 2020 e 2021, a doença foi a quinta causa de morte mais frequente entre a população feminina, superando o câncer de mama e o acidente vascular cerebral.

Segundo o relatório, a morte por hipertensão é mais frequente entre as mulheres do que entre os homens. Como a incidência e a mortalidade da doença está associada à idade, os números, até então, apresentavam um aumento gradual. Houve, entretanto, uma aceleração significativa dessa mortalidade nos últimos dois anos analisados pelo relatório.

O médico Bernardo Rangel Tura, pesquisador do Observatório de Saúde Cardiovascular, avalia que esse aumento pode estar associado à diminuição no acesso ao tratamento da doença no período da pandemia.

Os tratamentos ofertados pelo SUS (Sistema Único de Saúde), segundo ele, são eficazes em conter a mortalidade por hipertensão.

“O motivo provável é a dificuldade de acesso aos profissionais de saúde, bem como a dificuldade de acesso ao tratamento. Com a questão da epidemia e a modificação na priorização dos gastos, tivemos dificuldade de acesso aos medicamentos”, esclarece.

O relatório também mostra o impacto da Covid-19 nas estatísticas de mortalidade. Em 2020 e 2021, o coronavírus foi a maior causa de morte entre as brasileiras, superando o infarto agudo do miocárdio e a pneumonia, que lideraram o ranking nos anos anteriores, seguidas pelo câncer de mama, acidente vascular cerebral e causas mal definidas.

Em 2020 e 2021, o câncer de mama e o acidente vascular cerebral nem sequer estiveram entre as cinco causas de morte mais frequentes. Depois da Covid, vieram, nesta ordem, mortes por infarto agudo do miocárdio, causas mal definidas, pneumonia e hipertensão.

O estudo, intitulado “evolução da mortalidade cardiovascular em mulheres”, será publicado nesta quarta-feira (8), Dia Internacional da Mulher.

More like this

Entenda o que é a febre oropouche e como prevenir a doença

RIBEIRÃO PRETO, SP (FOLHAPRESS) - O caso confirmado de febre oropouche no Rio de...

CBF anuncia Juan Santos como coordenador executivo geral

SÃO PAULO, SP (UOL/FOLHAPRESS) - A CBF anunciou na tarde desta sexta-feira (1º) o...

Gabigol será desfalque do Flamengo contra o Madureira após exame apontar lesão

RIO DE JANEIRO, RJ (UOL/FOLHAPRESS) - O atacante Gabigol será desfalque do Flamengo no...