Protestos na Grécia ganham força e levam 65 mil às ruas após colisão de trens

Published on

BELO HORIZONTE, MG (FOLHAPRESS) – Trabalhadores entraram em greve e mais de 65 mil pessoas foram às ruas na Grécia na maior demonstração pública de indignação contra a tragédia ferroviária ocorrida no país na última semana.

Em 28 de fevereiro, um acidente de trens próximo à cidade de Larissa –a cerca de 350 km ao norte da capital, Atenas- matou 57 pessoas. Os trens percorreram o mesmo trilho por quilômetros, sem que ninguém percebesse, e colidiram frontalmente. Das 350 pessoas que estavam nos veículos, muitas eram jovens e estudantes, e 14 continuam hospitalizadas.

Nesta quarta (8), foram registrados confrontos com a polícia em Atenas, onde ocorreu o maior protesto, com cerca de 40 mil pessoas. Manifestantes lançaram coquetéis molotov em frente ao Parlamento e incendiaram uma van e caixotes de madeira.

“Nós sentimos raiva porque o governo não fez nada por todos esses jovens. O transporte público está uma bagunça”, disse Nikomathi Vathi, 19, à agência de notícia Reuters.

Em Tessalônica, segunda maior cidade do país, a manifestação se concentrou do lado de fora da estação ferroviária. Lá, um grupo chegou a arremessar pedras contra um edifício público.

Servidores fizeram uma paralisação por 24 horas, assim como professores do ensino fundamental, médicos, motoristas de ônibus, maquinistas dos metrôs e capitães de embarcações utilizadas no transporte entre as ilhas gregas.

“Estou aqui para expressar minha homenagem aos mortos e minha indignação e frustração”, disse em Atenas Niki Siouta, engenheiro civil de 54 anos, à agência de notícias AFP. “Este governo tem que sair.”

Trabalhadores da área ferroviária, que já estavam em situação de greve desde a última quinta-feira (2), afirmam que o acidente da última semana denuncia o estado em ruínas da malha do país. Eles apontam negligência do governo, que teria falhado ao ignorar os avisos das graves falhas técnicas da linha feitos muito antes da tragédia.

“Nós, motoristas, apresentamos queixas sobre essas questões, fizemos greve para isso, alertamos, protestamos”, disse o representante Kostas Genidounias à Reuters. “Eles disseram que estávamos mentindo, que éramos caluniosos e tínhamos outros interesses. No final, [a tragédia] mostrou que os trabalhadores estavam certos”.

O subinvestimento nas linhas é também legado da longa crise de dívida do país europeu. Nas manifestações, muitos gregos reclamaram da decadência dos serviços públicos desde que planos de austeridade foram impostos pelos credores da Grécia.

Horas após o acidente, o primeiro-ministro grego Kyriakos Mitsotakis, cujo mandato termina em julho deste ano, afirmou que o ocorrido foi um “trágico erro humano”. A fala foi duramente criticada.

O premiê pediu desculpas às famílias das vítimas pelo acidente no domingo (5), cinco dias após a tragédia. Também solicitou ajuda à União Europeia, que deve enviar especialistas de sua agência ferroviária ao país ainda nesta semana.

O governo, de orientação conservadora, anunciou a suspensão do serviço ferroviário enquanto analisa a segurança das linhas. “Nenhum trem partirá novamente se não tivermos segurança no máximo nível possível”, disse em entrevista coletiva o novo ministro dos Transportes, George Gerapetrite.

Ele assumiu a chefia da pasta na semana passada após a renúncia de Kostas Karamanlis e afirmou que vai esclarecer as causas do acidente. O novo titular da pasta também se comprometeu a investir fundos na atualização da infraestrutura e na contratação de funcionários.

Em 2017, durante a crise que assolou o país, a Grécia vendeu suas operações ferroviárias, hoje chamadas Hellenic Train, para a Ferrovie Dello Stato, da Itália. A empresa privada, também apontada como culpada pelos manifestantes, respondeu às acusações dizendo que a responsabilidade pela manutenção da rede seria da empresa pública grega OSE. O chefe da estação de Larissa, que reconheceu sua responsabilidade no acidente, está em prisão provisória e pode ser condenado a prisão perpétua.

More like this

Mulher morre e homem fica ferido após casa desabar em cima de carro no Rio

SÃO PAULO, SP (UOL/FOLHAPRESS) - Uma mulher morreu e o marido dela ficou ferido...

Corinthians é eliminado do Paulistão mesmo após vitória sobre o Santo André

O Corinthians fez a sua parte ao bater o Santo André por 3 a...

Pai, filho e piloto morrem em queda de aeronave na Bahia

Três pessoas morreram, este sábado (2), após a queda de um avião no município...