‘Estou triste’, diz Emicida sobre seu livro ter sido vandalizado

Published on

 


Rapper se pronunciou nas redes sociais


|  Foto:
Reprodução

O rapper Emicida usou suas redes sociais, nesta quarta-feira (8), para comentar sobre o vandalismo que ocorreu com seu livro infantil, intitulado “Amora”. A obra foi riscada com salmos bíblicos, na parte que menciona informações sobre orixás e ainda foi escrito que elas são falsas. A ação foi da mãe de um aluno de uma escola particular, em Salvador, Bahia.

O caso foi classificado como racismo religioso pela advogada criminalista e conselheira da Ordem de Advogados do Brasil (OAB – Bahia), Dandara Amazzi Lucas Pinho.

“Hoje, minha reação a isso é de tristeza. Não uma tristeza de derrota. A história do livro, ela fala por si, e é uma grande vitória. A repercussão dele fala por si”, disse o cantor em vídeo publicado no Instagram.

“A tristeza é por essas pessoas que querem que a sua religião, no caso a cristã, protestante, conhecidos como evangélicos, seja respeitada e deve ser respeitada, mas não se predispõem nem por um segundo a respeitar outras formas de viver, de existir e de manifestar sua fé”, completou Emicida.

Ele ainda ressaltou que esta não foi a primeira vez que foi alvo de manifestações do tipo. “No começo, imaturo, eu fiquei com raiva e levei para o pessoal, mas era uma questão muito maior. Então, eu fiquei triste porque é de entristecer viver entre radicais que se propõem a proibir e vandalizar livros infantis”, desabafou.

Livro foi rabiscado com trechos da Bíblia e pontuava que informações sobre Orixás são falsas

Livro foi rabiscado com trechos da Bíblia e pontuava que informações sobre Orixás são falsas

Livro foi rabiscado com trechos da Bíblia e pontuava que informações sobre Orixás são falsas

Livro foi rabiscado com trechos da Bíblia e pontuava que informações sobre Orixás são falsas

Livro foi rabiscado com trechos da Bíblia e pontuava que informações sobre Orixás são falsas

<!–

–>

O livro “Amora” conta a história de uma menina negra, que está aprendendo a reconhecer o mundo. Durante conversas com seu pai, ela passa a ter conhecimentos ligados às culturas e religiões diferentes, além de ser apresentada para grandes ícones das lutas do povo negro, como Zumbi, Martin Luther King e Malcolm X.

More like this

Cidade do interior de SP utilizará energia solar para abastecer 199 prédios públicos

(FOLHAPRESS) - Todos os imóveis ligados à Prefeitura de Hortolândia, a 97 km da...

Valencia pede adiamento de jogo após trágico incêndio em bairro da cidade

O Valencia emitiu um comunicado nesta sexta-feira, expressando pesar pelo trágico incêndio ocorrido em...

João Fonseca, sensação do Rio Open, já foi nº 1 do mundo e agora tem dilema pela frente

O grande nome deste Rio Open é campeão de Grand Slam e já foi...